dcsimg
English Site French Site Spanish Site Russian Site Arabic Site Chinese Site OHCHR header
Make a donation to OHCHR


Header image for news printout
Brazil: important steps taken to promote cultural rights but challenges remain, says UN Expert

Veja abaixo a versão em português – Portuguese version, see below
Full statement attached – Declaracão completa anexa

PRESS STATEMENT

19 November 2010

Brazil: important steps taken to promote cultural rights but challenges remain, says UN Expert

BRASILIA – The UN Independent Expert on Cultural Rights, Farida Shaheed, said Thursday that Brazil’s adoption, on 9 November, of a National Plan of Culture is a major breakthrough for the promotion and the protection of cultural rights in Brazil and underscored the need to strengthen efforts to make laws, plans and programmes a reality on the ground.

“The adoption of the National Plan of Culture gives new impetus for Brazil to make their laws and programmes a living reality on the ground,” the Independent Expert said, noting that “many stakeholders pointed out that effective implementation remains a major challenge to overcome.”

“Protecting cultural rights in a mega-diverse country such as Brazil is not an easy task. Every State, capital city, or small town that I visited contained in itself a universe of diversity, with a striking wealth of cultural manifestations and expressions of different individuals and communities,” Ms. Shaheed said in a statement at the end of her first official mission as the UN Independent Expert on cultural rights.

Ms. Shaheed said she was very inspired by initiatives taken by a wide variety of stakeholders to cooperate in promoting cultural expressions and make culture widely accessible for all groups, including children, the elderly, persons with disabilities, women, afro-descendents, indigenous peoples, rural communities, and a range of specific local communities known as quilombos, terreiros and favelas.

“Brazil has put in place important measures to promote and protect the cultural expressions and heritage of all, including marginalized peoples, as well as disseminating knowledge of such expressions and a rich diverse heritage in a very dynamic process,” Ms. Shaheed said. “Steps taken include constitutional recognition of culture as a right, legislation, policies and plans that have been developed through consultative processes from the grassroots to the federal level.”

The UN Independent Expert said that the Government of Brazil is to be commended “for the tremendous efforts undertaken to ensure the participation of ethnic and religious groups, civil society organizations, academics, artists and the private sector in the formulation of a framework of action that ensures access to culture and the production of cultural expressions and goods.”

Implementation is being undertaken through innovative partnerships that bring together UN agencies, civil society organizations, artists, masters, the private sector, among others. “Approaching culture as a means of social mediation and citizenship is a welcome innovative perspective,” she said. “However, ensuring cultural rights is not only about documenting and promoting cultural manifestations, and facilitating access to libraries, theaters, cultural centers and museums, important as these are. Guaranteeing cultural rights is also about empowering individuals and communities to create culture as continuously evolving ways of life that are all valorized. These include enabling communities to build their self-esteem, to be respected for their values and practices, to be able to preserve the elements of their culture that they desire to keep while evolving towards new ways of engaging with and contributing to contemporary Brazilian society.”

Brazil has “proactively created and continues to promote avenues for all to express their own cultural viewpoint and allow them to be a part – if they so wish – of the shaping of cultural and social developments in the country as a whole,” Ms. Shaheed said. “This has been done, for example, through the various cultural programmes including the ‘culture points’ as stimuli, ‘more culture’ and ‘living culture’. These good practices can inspire similar endeavors in other states. It is important, however, to ensure that all communities and individuals benefit from the protection of the moral and material interests resulting from the individual or collective authorship of any scientific, literary or artistic production.”

The expert also noted that while the State of Brazil has taken significant measures to promote and protect the cultural expression and heritage of marginalized peoples and to make this known to everyone, “many individuals and communities still do not feel they are fully appreciated as equal participants in national life. This continuing experience of exclusion and discrimination needs to be recognized and addressed, especially in view of a reported increase in the attacks on, and in some instances the demonizationof, some specific communities on the basis of their religion, ethnicity and race.”

The Independent expert welcomed the international and regional cooperation in the field of culture being undertaken, including efforts to uphold international legal instruments for the promotion and protection of cultural rights and cultural diversity.

During her mission to Brazil from 8 to 19 November 2010, the Ms. Shaheed met with senior Governmental officials at the national, federal and municipal levels, working in the areas of culture, education, science and technology, human rights, women issues, racial equality, indigenous issues and foreign affairs. She also met with academics, grass roots leaders from religious communities, afro-descendents and indigenous peoples as well as representatives of cultural movements, and the United Nations Country Team.

During her 10-day fact-finding mission, she visited the cities of Brasilia, Rio de Janeiro, Sao Paulo, Dourados and Salvador. She also visited cultural projects in Ceilandia (Federal District), the favelas of Manguihnos and Pavan Pavãozinho (Rio de Janeiro), Teyikue in Caaparó Municipality (Mato Grosso do Sul), and the terreiros Ile Axé Opó Afonjá in Salvador and Sao Jorge Filho da Gomeia in the municipality of Lauro de Freitas (State of Bahia).

ENDS

Farida Shaheed took up her functions as Independent Expert in the field of cultural rights on 1 August 200 with a view to identify best practices and obstacles to the implementation of cultural rights, and fostering the adoption of measures aimed at their promotion and protection 9. She has worked for more than 25 years promoting and protecting cultural rights by fostering policies and projects designed in culturally sensitive ways to support the rights of marginalized sectors, including women, peasants, and religious and ethnic minorities. She has been the recipient of several national and international human rights awards, and is an experienced participant in negotiations at international, regional and national levels.

Lear more about the mandate and work of the Independent Expert: http://www2.ohchr.org/english/issues/cultural_rights/index.htm

OHCHR Country Page – Brazil: http://www.ohchr.org/EN/Countries/LACRegion/Pages/BRIndex.aspx

For inquiries and media requests, please contact Valéria Schilling
(Tel: +(55-21)2253-2211 / e-mail: valeria.schilling@unic.org) or write to Mireya Maritza Peña Guzmán (mpena@ohchr.org and ieculturalrights@ohchr.org.)

RELEASE PARA IMPRENSA

19 de novembro de 2010

Brasil: importantes medidas foram tomadas para promover os direitos culturais, porém desafios permanecem, diz Perita das Nações Unidas

Brasília – A Perita Independente no Campo dos Direitos Culturais das Nações Unidas, Farida Shaheed, disse que a adoção pelo Brasil, em 9 de novembro, de um Plano Nacional de Cultura é um grande avanço na promoção e proteção dos direitos culturais no país. Ela ressaltou a necessidade de fortalecer os esforços para que a elaboração de leis, planos e programas torne-se uma realidade.

“A adoção de um Plano Nacional de Cultura dá um novo impulso para o Brasil fazer de suas leis e programas uma realidade viva”, disse a Perita, observando que “muitos stakeholders apontaram que a efetiva implementação permanece um grande desafio a ser vencido”.

“Proteger os direitos culturais em um país megadiverso como o Brasil não é uma tarefa fácil. Cada estado, cidade capital ou pequena cidade que visitei continha em si mesma um universo de diversidade, com uma notável riqueza de manifestações e expressões culturais de diferentes indivíduos e comunidades”, disse Shaheed em uma declaração ao final de sua primeira missão oficial como Perita Independente no Campo dos Direitos Culturais da ONU.

Shaheed se disse muito inspirada pelas iniciativas de uma grande variedade de stakeholders em cooperar na promoção das expressões culturais. Destacou também o esforço em tornar a cultura amplamente acessível para todos os grupos, incluindo crianças, idosos, pessoas com deficiências, mulheres, afro-descendentes, indígenas, comunidades rurais, e comunidades locais específicas como os quilombolas, terreiros e favelas.

“O Brasil colocou em prática medidas importantes para promover e proteger as expressões culturais e o patrimônio de todos, incluindo pessoas marginalizadas, assim como a disseminação de conhecimento de tais expressões e um patrimônio rico e diverso em um processo muito dinâmico”, disse Shaheed. “As medidas tomadas incluem o reconhecimento constitucional da cultura como um direito. Foram criadas legislação, políticas e planos por meio de processos de consultas que vão das bases ao nível federal”.

A Perita Independente das Nações Unidas disse que o Governo do Brasil deve ser elogiado “pelo tremendo esforço feito para assegurar a participação de grupos étnicos e religiosos, organizações da sociedade civil, acadêmicos, artistas e setor privado na formulação de um marco de ação que assegure o acesso à cultura e à produção de expressões e bens culturais”.

A implementação está sendo conduzida por meio de parcerias inovadoras que reúnem agências das Nações Unidas, organizações da sociedade civil, artistas, mestres, e o setor privado, entre outros. “Abordar a cultura como um meio de mediação social e cidadania é uma perspectiva inovadora bem-vinda”, disse ela. “No entanto, assegurar os direitos culturais não é apenas documentar e promover manifestações culturais, e facilitar o acesso a bibliotecas, teatros, centros culturais e museus, apesar de que isto seja importante. Também diz respeito ao fortalecimento de indivíduos e comunidades para criar cultura como modo de vida em contínua evolução, em que todos sejam valorizados. Isso inclui a habilitação de comunidades na construção de sua autoestima, e no respeito a seus valores e práticas, capazes de preservar os elementos de sua cultura que desejam manter enquanto evoluem na direção de novas formas de se comprometer e contribuir com a sociedade contemporânea brasileira”.

O Brasil tem “criado proativamente e continua a promover vias de acesso para todos expressarem seu próprio ponto de vista cultural e permite a eles fazerem parte – se assim o quiserem – da conformação dos desenvolvimentos social e cultural no País como um todo”, disse Shaheed. “Isso tem sido feito, por exemplo, por meio dos variados programas culturais incluindo os ‘Pontos de Cultura’, ‘Mais Cultura’ e ‘Cultura Viva’. Essas boas práticas podem inspirar empreendimentos similares em outros países. É importante, no entanto, assegurar que todas as comunidades e indivíduos se beneficiem da proteção dos interesses materiais e morais resultantes da autoria coletiva ou individual de qualquer produção artística, literária ou científica”.

A Perita também observou que embora o Estado brasileiro venha adotando medidas significativas para promover e proteger a expressão cultural e o patrimônio das pessoas marginalizadas, e tornar isso conhecido a qualquer pessoa, “muitos indivíduos e comunidades ainda não sentem totalmente considerados como partícipes em iguais condições na vida nacional. Esta experiência continuada de exclusão e discriminação deve ser reconhecida e discutida, especialmente diante do registro de aumento dos ataques contra algumas comunidades específicas em função de sua religião, etnicidade e raça, chegando em alguns casos a sua demonização”.

A Perita Independente deu boas-vindas à cooperação regional e internacional que está sendo empreendida no campo da cultura, incluindo os esforços para apoiar os instrumentos legais para a promoção e proteção dos direitos culturais e da diversidade cultural.

Durante sua missão no Brasil, de 8 a 19 de novembro de 2010, Shaheed encontrou-se com funcionários sêniores dos níveis municipal, estadual e federal, trabalhando nas áreas de cultura, educação, ciência e tecnologia, direitos humanos, questões da mulher, igualdade racial, questões indígenas e assuntos de relações exteriores. Ela também se encontrou com acadêmicos, líderes de base, de afro-descendentes e indígenas assim como representantes de movimentos culturais, e da Equipe das Nações Unidas no País.

Durante sua missão de 10 dias, ela visitou as cidades de Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Dourados e Salvador. Ela também visitou projetos culturais na Ceilândia (Distrito Federal), as favelas de Manguinhos e Pavão-Pavãozinho (Rio de Janeiro), Teyikue no Município de Caaparó (Mato Grosso do Sul), e os terreiros de Ile Axé Opó Afonjá (Salvador) e São Jorge Filho da Gomeia no município de Lauro de Freitas (Estado da Bahia).

Sobre a Perita Independente no Campo dos Direitos Culturais

Farida Shaheed assumiu o cargo de Perita Independente no Campo dos Direitos Culturais em 1º de agosto de 2009. Antes de assumir este cargo, ela trabalhou por mais de 25 anos promovendo e protegendo os direitos culturais através da promoção de iniciativas que respeitem diferenças culturais e apóiem o direito de setores marginalizados, incluindo mulheres, camponeses e minorias étnicas e religiosas. Ela recebeu vários prêmios internacionais e nacionais de direitos humanos e é uma experiente participante de negociações nacionais, regionais e internacionais.

Conheça mais sobre o mandato e o trabalho da Perita Independente (em inglês): http://www2.ohchr.org/english/issues/cultural_rights/index.htm

Página do Escritório do Alto Comissariado para Direitos Humanos das Nações Unidas - OHCHR (em inglês :
http://www.ohchr.org/EN/Countries/LACRegion/Pages/BRIndex.aspx

Para perguntas ou solicitações de imprensa, por favor contate Valéria Schilling
(Tel: +(55-21)2253-2211 / e-mail: valeria.schilling@unic.org) ou escreva para Mireya Maritza Peña Guzmán (mpena@ohchr.org and ieculturalrights@ohchr.org.)